Peter Bosz: O crescimento de um treinador não escolhe idades

Por Rúben Tavares Dezembro 3, 2017, em Liga Alemã

Peter Bosz: O crescimento de um treinador não escolhe idades

Cabeçalho Liga Alemã

O homem que em junho era anunciado como novo treinador do Dortmund suscitava bastante curiosidade e até, permitam-me dizê-lo, alguma admiração pelo trabalho que desenvolveu na época passada no Ajax.

Praticando um futebol que fazia suspirar por “Ajaxs” de outras eras, a histórica formação holandesa chegou à final da Liga Europa.

A Dortmund chegava, assim, um treinador de 53 anos que havia ascendido no futebol holandês, com uma passagem pelo futebol israelita, e tendo como missão substituir Thomas Tuchel.

O clube germânico venceu a Bundesliga em 11/12 e chegou, inclusive, à final da Liga dos Campeões em 12/13, ambas as ocasiões com Jurgen Klopp, mas desde então tem estado arredada dos grandes títulos ou, pelo menos, da luta acirrada pelos mesmos.

Se a Bundesliga (e não falando da derrota na Supertaça doméstica) começou com seis vitórias e um empate em sete jogos, o que é facto é que a equipa não ganha desde essa mesma sétima jornada, isto é, desde 30 de setembro!

Peter Bosz demora a adaptar-se ao futebol alemão. Veremos se ainda terá tempo, isto é, se lho dão…. Fonte: Chicago Tribune

Peter Bosz demora a adaptar-se ao futebol alemão. Veremos se ainda terá tempo, isto é, se lho dão….
Fonte: Chicago Tribune

          Se a crise já vinha sendo de se perder a paciência, o que dizer de há uma semana quando a equipa vencia por 4-0 a meia hora do fim do jogo e se deixou empatar com o Schalke 04? No final, os fanáticos adeptos no Signal Iduna Park apuparam a equipa. Sim, até eles.

Por outro lado, se falarmos da Liga dos Campeões, falaremos de outra razia. Dois pontos em cinco jornadas, num grupo difícil, é certo, com os potentes Tottenham e Real Madrid, mas sem vencer qualquer dos jogos ao APOEL do Chipre.

5 golos marcados na Liga dos Campeões contra 10 sofridos são coeficiente negativo para os homens da Vestefália. Já na Bundesliga, 34 tentos obtidos fazem da formação, a par do líder Bayern de Munique o melhor ataque, mas os 21 concedidos significam a quinta pior defesa.

Talvez o problema esteja mesmo aí. A primeira grande experiência em termos de dificuldade fora da sua Holanda (depois de Maccabi Tel-Aviv em 15/16) é agora e, se no aspeto ofensivo, o problema parece não existir, a defender a equipa sofre muito.

Dores de crescimento, decerto, de um treinador que ainda está a tentar sair do seu estilístico berço holandês, aberto para atacar, mas pouco consistente no momento da perda da bola. 54 anos tem Peter Bosz, mas, no futebol, como na vida, o crescimento não escolhe idades. Neste caso, na adaptabilidade a uma nova cultura futebolística.

Peter Bosz demora a adaptar-se ao futebol alemão. Veremos se ainda terá tempo, isto é, se lho dão….

Foto de capa: BVBbuzz.com

Rúben Tavares
O futebol foi a primeira paixão da infância, no seu estado mais selvagem e pueril. Paixão desnuda. Hoje não deixou de ser paixão, mas é mais madura, aliada a outras paixões de outras idades: a literatura, as ciências sociais, as ciências humanas.                                                                                                                                                 O Rúben escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.

Comentários

Por Rúben Tavares Dezembro 3, 2017, em Liga Alemã

Figura e Fora-de-Jogo da Semana

17/12/2017

André Conde

Diretor-Adjunto

Pep Guardiola

Equipa à sua imagem, futebol de grande qualidade e domínio na Premier League. No meio dos tubarões da Liga Inglesa, Pep Guardiola está a mostrar o porquê de ser o melhor treinador do mundo.

Rui Vitória

Depois da Champions, a Taça de Portugal. Uma equipa sem ideias, perdida em campo e um discurso completamente fora da realidade. O tempo do treinador no SL Benfica parece ter terminado.