Futebol Brasileiro e as suas tragédias

Por César Mayrinck Julho 14, 2017, em Liga Brasileira

Futebol Brasileiro e as suas tragédias

Cabeçalho Liga Brasileira

O futebol brasileiro presenciou mais um crime entre “torcedores” na rodada dessa quarta-feira, 12.07. Palmeiras e Corinthians jogaram no Allianz Parque e tudo que tinha para ser um grande clássico acabou sendo marcado por mais uma tragédia. O jogo terminou 2 x 0 para o Corinthians, mas isso não importa. Nenhum resultado que a partida tivesse importaria. Pois o placar final de ontem foi mais um gol contra para o futebol brasileiro. Segundo a Polícia Militar, após o clássico paulista houve uma discussão entre “torcedores” rivais e o palmeirense Leandro de Paula levou dois golpes de facão no abdômen e acabou vindo a óbito no hospital. Desde já, deixo as minhas condolências aos amigos e familiares de Leandro. A polícia prendeu dois suspeitos e investiga o caso.

Na mesma noite, houve uma briga entre torcedores de Fluminense e Botafogo, no Rio de Janeiro. Os dois grandes do Rio fizeram o clássico no Maracanã. No final de semana, torcedores do Botafogo e do Atlético Mineiro também brigaram de maneira generalizada. Ainda no Rio, alguns membros da torcida do Vasco da Gama colocaram a vida de muitos torcedores em risco ao começarem uma confusão generalizada no estádio e ainda destruíram parte do patrimônio do clube. O estádio São Januário foi interditado para jogos oficiais por tempo indeterminado. Esses são apenas alguns exemplos de crimes que aconteceram nos últimos quatro dias no futebol brasileiro.

O que espanta mais ainda é que determinam que o clássico paulista, por exemplo, seja de torcida única para que não haja confusão e mesmo assim há brigas e mortes. Não importa se foi no estádio ou nos arredores dele, o que importa é que essa política de acreditar que fazer jogo com torcida única seja revista pois o problema é muito mais grave e exige atitudes mais relevantes e drásticas.

A primeira ação é tratar esses “torcedores” como bandidos. Pois eles são realmente bandidos perigosos para a sociedade. Uma pessoa que assassina outra pessoa pois não aceita o time para qual ela torce deve ser preso perpetuamente. Você ter ódio de alguém e espancá-lo até a morte por estar usando a camisa de um rival é doentio. Mostra um severo desvio psicológico e esse indivíduo deve ser afastado do convívio da sociedade imediatamente. O futebol brasileiro chegou ao nível tão baixo que existem pessoas que vão ao estádio apenas para brigarem, pois já marcaram essas brigas pela internet com outros torcedores. Ou seja, nem sabem contra quem seu time vai jogar e nem tão poucos estão interessados em torcer para o clube. O único interesse desses meliantes é brigar e assassinar os outros. Então se faz necessário fazer o reconhecimento desses criminosos e puni-los. Não apenas nos casos mais graves, mas em todos. Um torcedor que não se comporta adequadamente em um estádio pode sofrer punições como, por exemplo, ficar sem frequentar jogos de futebol por um tempo determinado.

 

O pai, desesperado, protegendo o seu filho durante uma briga generalizada promovida pelas torcidas do Atlético Paranaense e Vasco da Gama Fonte: Pedro Kirilos / O Globo

O pai, desesperado, protegendo o seu filho durante uma briga generalizada promovida pelas torcidas do Atlético Paranaense e Vasco da Gama
Fonte: Pedro Kirilos / O Globo

No Brasil, muitos clubes se fazem de reféns das T.O. (Torcidas Organizadas), dão ingressos e vantagens em troca de tranquilidade para trabalharem. Toda generalização é burra, então não generalizarei em dizer que todos os membros de uma T.O. no Brasil são bandidos. Mas é verdade dizer que muitas dessas tragédias são ocasionadas pelos seus membros. Cabe as direções dessas torcidas trabalharem junto com o clube e a Polícia Militar para identificar esses criminosos e, paralelamente, iniciarem um trabalho de conscientização. Sim, isso deveria fazer parte das ações de uma T.O.. Atualmente, existem pessoas que vivem dentro de uma T.O. 24 horas por dia. Não trabalham, não estudam, não progridem na vida e criam dentro da torcida seu estímulo de vida e isso é perigoso, pois pode fazer a pessoa a tender para o lado da loucura que acarreta tudo que já dissemos nesse artigo.

Os verdadeiros torcedores brasileiros – que são a maioria em um estádio – pedem paz. Desejam levar a sua família para torcer junto com ele. Futebol é entretenimento, lazer, diversão. Não deve ter espaço para intolerância – de qualquer espécie – e violência. Como se não bastasse a CBF não estar nem aí para os torcedores ao colocar jogos para terminar quase de madrugada e os clubes que pedem uma verdadeira fortuna nos ingressos, temos também a violência desenfreada que é consequência da nossa sociedade apodrecida. Atualmente, o torcedor paga caro em um ingresso, corre o risco de não ter transporte para retornar para casa e ainda pode não voltar para casa pois pode sofrer uma violência extrema. Basta. Nós que amamos o futebol queremos paz. Torcemos por isso e essa será a maior vitória do nosso futebol. Muita mais que qualquer Copa do Mundo.

Finalizo dizendo que, infelizmente, a tragédia com a Chapecoense e toda aquela comoção e falsa união entre as torcidas que aconteceu em Chapecó foi apenas demagogia barata. Não aprendemos nada com aquele momento que mesmo de profunda tristeza poderia nos unir!!!

Foto de Capa: Youtube

Artigo revisto por: Beatriz Silva

César Mayrinck
Enquanto criança queria ser jogador de futebol e para o bem dos torcedores do Atlético Mineiro não foi aprovado no teste. Encontrou nas palavras a melhor maneira de se expressar sobre a sua paixão, o futebol. Amante do futebol brasileiro e do futebol alternativo, acorda facilmente às três horas da madrugada para ver um jogo do campeonato neozelandês.                                                                                                                                                 O César escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.
César Mayrinck

Últimos Artigos por César Mayrinck (ver todos)

Comentários

Por César Mayrinck Julho 14, 2017, em Liga Brasileira

Figura e Fora-de-Jogo da Semana

19/11/2017

Francisco Sampaio

Redator

Francisca Jorge e Miguel Oliveira

A tenista de 17 anos tornou-se campeã nacional absoluta na vertente de singulares e de pares; o motociclista, aos 22 anos, venceu as últimas três provas do Mundial de Moto 2.

Seleção Italiana

60 anos depois a Itália está fora de um Campeonato Mundial de Futebol. Gian Piero Ventura tomou opções duvidosas e foi afastado do cargo de selecionador. O mundo do futebol chorou com Gianluigi Buffon.