FC Bayern 3-1 Paris SG: Bávaros vencem, mas ambos têm motivos para sorrir

Por João Brandão Dezembro 5, 2017, em Liga dos Campeões

FC Bayern 3-1 Paris SG: Bávaros vencem, mas ambos têm motivos para sorrir

Anterior1 de 3Próximo

Cabeçalho Futebol InternacionalNo duelo entre os dois primeiros classificados do grupo B e dois dos candidatos a vencer esta competição, estava em jogo o primeiro lugar do grupo, embora o Bayern necessitasse de vencer por uma diferença de quatro bolas para o conseguir.

Determinados em consegui-lo, os bávaros começaram praticamente a vencer, ainda nem dez minutos estavam cumpridos. Depois de um cruzamento de James, Coman cabeceia prensado com Thiago Silva e a bola sobra para Lewandowski que, enquanto estava tudo à espera do fora-de-jogo, não se fez de rogado e apenas teve que escolher o lado para fazer o primeiro golo. Nota para o muito mau posicionamento de Dani Alves que estraga a armadilha do fora-de-jogo dos parisienses e coloca, claramente, o polaco em jogo.

A primeira parte foi quase na totalidade dominada peloo conjunto alemão que, aproveitando a vantagem precoce, deu alguma iniciativa ao adversário e aproveitou as muitas falhas dos adversários para atacar, quer em contra-ataque lançando a mota Coman, quer em ataque organizado, montando o seu habitual carrossel. O segundo tento aparece quase naturalmente, numa jogada bem construída pela sala de máquinas dos germânicos, em que James cruza milimetricamente para a cabeça de Tolisso que aparece na área depois de ter iniciado a construção e finaliza com um golpe fulminante de cabeça.

Ao intervalo, já todos os alemães acreditavam ser possível vencer por quatro golos de diferença e, assim, destronar os rivais de hoje no topo da tabela.

No entanto, o início de segundo tempo foi o oposto do primeiro, com o PSG a marcar logo aos 5 minutos, depois de uma combinação deliciosa entre Cavani e Mbappé, com o jovem francês a marcar de cabeça.

Tolisso e Ulreich realizaram boas exibições Fonte: FC Bayern

Tolisso e Ulreich realizaram boas exibições
Fonte: FC Bayern

A partir daqui o jogo partiu e animou, com ataques de um lado e de outro, mas com supremacia dos comandados de Unay Emery, que aproveitavam o poder de fogo da sua frente de ataque, em especial do inspirado Mbappé, para criar mais perigo. Não obstante, quem chegou ao golo foi mesmo a equipa da casa, que aproveitou a velocidade e a potência de Coman (está em grande forma o gaulês) que rasgou pela esquerda e cruzou atrasado para Tolisso aparecer uma vez mais na área adversária e finalizar certeiramente.

Com a vitória no jogo praticamente garantida, o Bayern ainda tentou a gracinha de dobrar a vantagem, mas o PSG não permitiu mais nenhuma oportunidade clara. Assim, como se diz na gíria, este terceiro golo matou o jogo.

Perspectivava-se um grande jogo e não se pode dizer que tenha defraudado as expectativas, no entanto, não foi tão espetacular como se augurava. O primeiro tempo apagado dos franceses foi determinante no desfecho final, uma vez que a boa entrada no segundo tempo foi sol de pouca dura, já que o segundo golo de Tolisso resolveu a questão. Segunda derrota da época para o PSG e a segunda seguida. Serão motivo para alarme? Já o Bayern junta este triunfo justo ao quase imaculado regresso de Heynckes ao comando técnico, que tem muito mérito na estratégia adotada para este jogo.

Terminada a fase de grupos, veremos até onde serão capazes de chegar estas duas equipas, nesta que é a melhor competição de clubes do mundo!

Anterior1 de 3Próximo
João Brandão
Desde cedo o avô lhe colocou o bichinho do futebol e não mais parou de crescer, expandindo-se para outras modalidades. Atento e perfecionista, gosta de analisar ao pormenor cada aspeto do jogo. Considera que o melhor que a vida nos pode dar é um bom jogo de futebol, para ver com um bom grupo de amigos.                                                                                                                                                 O João escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.

Comentários

Por João Brandão Dezembro 5, 2017, em Liga dos Campeões

Figura e Fora-de-Jogo da Semana

17/12/2017

André Conde

Diretor-Adjunto

Pep Guardiola

Equipa à sua imagem, futebol de grande qualidade e domínio na Premier League. No meio dos tubarões da Liga Inglesa, Pep Guardiola está a mostrar o porquê de ser o melhor treinador do mundo.

Rui Vitória

Depois da Champions, a Taça de Portugal. Uma equipa sem ideias, perdida em campo e um discurso completamente fora da realidade. O tempo do treinador no SL Benfica parece ter terminado.