FC Groningen 0-0 SC Braga: À vontade, mas não à vontadinha

Por Pedro Maia Dezembro 10, 2015, em Liga Europa

FC Groningen 0-0 SC Braga: À vontade, mas não à vontadinha

liga europa

O SC Braga conseguiu um saboroso empate na visita ao reduto do Groningen. Com este resultado, os bracarenses mantêm o primeiro lugar no Grupo F da Liga Europa e, por isso, são cabeças de série no sorteio da próxima segunda feira para os dezasseis avos da competição. O jogo frente aos holandeses tinha para o Braga um único objetivo: manter o primeiro lugar do grupo. Para que isso fosse uma realidade, bastava pontuar frente ao Groningen, último classificado deste agrupamento com apenas 1 ponto conquistado em 5 jogos. Competitivamente, o encontro era pouco apetecível para os portugueses e, por isso, não é de estranhar a exibição desconcentrada que os pupilos de Paulo Fonseca fizeram durante o primeiro tempo desta sexta e última jornada da Fase de Grupos.

Com Wilson Eduardo como principal surpresa no onze – Rui Fonte ficou no banco – o Braga entrou mal na partida e não raras vezes foi surpreendido pelos holandeses. O Groningen, com Linssen e Rosnak a partir das alas, instalou-se no meio campo bracarense e, fruto de um bloco alto e uma pressão intensa, controlou o ritmo da partida durante o primeiro tempo. Marcelo Goiano, lateral esquerdo adaptado fruto da ausência de Djavan, teve sempre muita dificuldade para parar os ataques holandeses, sendo que foi pelo lado direito do ataque que o Groningen foi criando perigo para Matheus. Aos 14 minutos, Hateboer ganhou as costas a Goiano e só não inaugurou o marcador porque falhou de forma inacreditável perante Matheus.

Do lado bracarense, as dificuldades na construção de jogo foram evidentes. Luiz Carlos era o espelho da incapacidade do Braga e foram vários os passes que o médio defensivo fez. Vukcevic e Rafa eram os homens mais esclarecidos e foi do sérvio que surgiu o único lance de registo no primeiro tempo. Vukcevic decidiu queimar linhas, progredir no terreno e fazer uma assistência para um remate de Alan que só Padt evitou que terminasse em golo. Esse, porém, foi apenas um lance de exceção em 45 minutos claramente dominados pelo Groningen. Aliás, até ao intervalo, só um gigante Matheus evitou que Hoesen, isolado, fizesse o 1-0.

transferir

Crislan e Pedro Santos entraram muito bem na partida
Fonte: cidadeverde.com

Ao intervalo, pouco se alterou. O frio em solo holandês parecia continuar a congelar as ideias do Braga e, logo aos 50 minutos, o remate de Tibbling voltou a passar muito perto da baliza dos bracarenses. A verdade é que esse lance despertou a equipa de Paulo Fonseca. A partir desse momento, o Groningen foi sucumbindo à maior pressão bracarense. A entrada de Crislan foi um dos momentos que contribuiu para o crescimento exibicional da equipa. Hassan não estava a ser eficaz na missão ofensiva e o avançado brasileiro veio dar mais intensidade e dinâmica ao jogo ofensivo do Braga. Wilson Eduardo, aos 65, foi isolado por Crislan mas, somente perante Padt, não conseguiu faturar. 5 minutos após, o brasileiro não se fez rogado e, na sequência de um canto, cabeceou de forma fulminante para uma defesa tremenda de Padt.

O Sp. Braga estava por cima do jogo, dinâmico à procura de uma vitória que apenas servia para confirmar uma liderança mais do que justificada no Grupo F. Alan, Rafa e Pedro Santos – que entrou no último quarto de hora para o lugar do capitão – foram dando sempre largura e profundidade ao jogo bracarense. No ataque, a dupla Crislan/Wilson Eduardo ia criando perigo junto à defensiva holandesa. Até final, os bracarenses estiveram em três ocasiões novamente perto do golo: primeiro, o extremo formado no Sporting rematou ao lado na sequência de um livre, depois, foi a vez de Pedro Santos rematar para uma intervenção atenta de Padt; em último lugar, novamente Crislan a acertar no ferro da baliza dos holandeses.

O domínio do encontro foi repartido – primeira parte para o Groningen, segundo tempo para o Braga – mas, no que diz respeito a oportunidades de golo, fica um sabor amargo para os guerreiros do Minho depois de tanta ineficácia. Ainda assim, parece claro que, com uma atitude diferente e mais concentrada durante os primeiros quarenta e cinco minutos, os portugueses podiam com toda a naturalidade terem saído de solo holandês com mais 3 pontos no bolso. Todavia, o mais importante está feito: liderança no Grupo F e posição privilegiada para o sorteio dos dezasseis avos de final. O sonho do Sporting de Braga na Liga Europa continua em fevereiro.

A Figura:

Matheus/Padt/Crislan – Para que o nulo se tivesse mantido durante todo o encontro, em muito contribuíram os dois guarda redes. Padt e Matheus fizeram várias defesas de relevo que impediram os golos adversários. Relativamente a Crislan, é de realçar a excelente entrada em campo do avançado brasileiro. Apesar de estar apenas 30 minutos em campo, as duas bolas que enviou aos erros demonstram bem a qualidade que pôs no jogo.

O Fora-de-Jogo:

Marcelo Goiano – O lateral esquerdo adaptado foi nitidamente o elo mais fraco da exibição bracarense. Durante o primeiro tempo, Goiano nunca conseguiu parar os avançados holandeses e as dificuldades sentidas foram enormes. Na segunda parte, destaque negativo para o cartão amarelo que levou e que o impede de jogar a primeira mão dos dezasseis avos de final.

pedro maia
Apaixonado pelo desporto desde sempre, o futebol é uma das principais paixões do Pedro. O futebol português é uma das temáticas que mais gosta de abordar, procurando sempre analisar os jogos e as equipas com o maior detalhe.                                                                                                                                                 O Pedro não escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.

Comentários

Por Pedro Maia Dezembro 10, 2015, em Liga Europa

Figura e Fora-de-Jogo da Semana

17/09/2017

João Neves

Redator

Pep Guardiola

O técnico espanhol está a deslumbrar na Premier League com uma equipa recheada de estrelas. Esta semana atropelou o Watford de Marco Silva por 6-0 e é um dos favoritos a levantar o titulo no final da época.

Bruno Varela

As razões são óbvias com o segundo golo sofrido, no Bessa, a deitar fora 3 pontos importantes. Precisa ainda muito de crescer para ganhar a titularidade no Benfica.