Portugal 2-2 México: Estreia amarga

Por Eduardo Nunes Junho 18, 2017, em Seleção Nacional

Portugal 2-2 México: Estreia amarga

Anterior1 de 3Próximo

Cabeçalho Seleção Nacional

Começando pela constituição das equipas, houve apenas uma alteração em relação ao normal, pois André Silva foi relegado para o banco de suplentes, preferindo Fernando Santos lançar a “arma secreta” Ricardo Quaresma de início, começando o treinador por colocar Cristiano Ronaldo juntamente com Nani na frente de ataque, atuando num clássico 4-4-2. Os primeiros 45 minutos mostraram, no geral, um México a querer tomar conta das operações, sem, no entanto, criar grandes ocasiões de perigo junto da baliza de Rui Patrício. Portugal, por seu turno, não entrou tão bem e concedeu o domínio do encontro à seleção mexicana. Apesar de tudo, as ocasiões de perigo aconteceram mais junto da baliza defendida por Guillermo Ochoa.

Para além do golo, ainda houve outra bola a entrar, só que foi um lance (bem) anulado por fora-de-jogo, numa prova inequívoca da importância do vídeo-árbitro. O jogo chegou ao intervalo empatado a uma bola, fruto de um golo de Ricardo Quaresma, numa jogada rápida onde o nosso fenómeno CR7 faz uma arrancada excelente pela direita e faz um passe de génio para o “Harry Potter”, que tirou o guardião da frente e encostou para o fundo das redes. Volvidos cerca de sete minutos, Javier Hernandez faz um belo golo de cabeça num erro do defesa Raphael Guerreiro, que ao tentar cortar o lance não conseguiu tirar a bola daquela zona e esta ficou à mercê de Carlos Vela, tirando um cruzamento milimétrico para a cabeça de “chicharito”.

Ao ser relegado para o banco de suplentes, André Silva foi o principal ausente Fonte: Facebook de André Silva

Ao ser relegado para o banco de suplentes, André Silva foi o principal ausente do onze inicial
Fonte: Facebook de André Silva

A segunda metade foi um pouco menos emocionante, pois o México optou por se resguardar e tentar pelo menos um pouco no seu jogo de estreia. Por alguns minutos parecia que a vitória ia ser nossa, após o golo de Cédric Soares aos 86 minutos, numa bola que tabelou no portista Hector Herrera antes de entrar, só que a equipa tricolor não desarmou e conseguiu empatar a partida, através de um canto no qual a equipa lusitana falhou clamorosamente na marcação, deixando Hector Moreno completamente livre de marcação para empatar o jogo. Foi um desfecho inglório mas é um resultado que se ajusta em função daquilo que foi o encontro, pois nenhuma seleção foi melhor do que a outra, mas fica sempre o sabor amargo por sofrer o golo do empate nos descontos.

Foto de Capa: Mirror

Anterior1 de 3Próximo
eduardo nunes
Estuda economia em Coimbra, mas não deixa de prestar especial atenção ao que se passa no universo do desporto. O desporto preferido é Ténis, mas não perde uma oportunidade de acompanhar a Académica e o Benfica nas mais variadas modalidades.                                                                                                                                                 O Eduardo escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.

Comentários

Por Eduardo Nunes Junho 18, 2017, em Seleção Nacional

Figura e Fora-de-Jogo da Semana

19/06/2017

Marta Reis

Redatora Sporting CP

André Villas-Boas

O treinador português não se mostrou indiferente à tragédia de Pedrogão Grande e, mesmo a milhares de quilómetros, doou uma verba considerável para as vítimas do incêndio.

Hóquei Português

Depois de ter rebentado o escândalo no futebol, as críticas às arbitragens não abonam a favor da boa imagem que estava a ser construída pela modalidade.