Os 30 mil de Nowitzki

Por João Dinis Março 13, 2017, em NBA

Os 30 mil de Nowitzki

Cabeçalho modalidadesDirk Nowitzki, o alemão que aos poucos tem marcado o mundo do basquetebol, marcou a semana que passou por se ter juntado ao restrito clube dos 30 mil pontos de carreira. É apenas o sexto da história da NBA a garantir entrada nesta lista, e o primeiro “estrangeiro”. Abdul-Jabbar, Karl Malone, Kobe, Jordan e Chamberlain são os “monstros” que o acompanham.

O gigante de dois metros e treze impressionou desde cedo. Chegou com apenas 20 anos aos Dallas Mavericks, em 98, e a sua filosofia e ética de trabalho deixavam antever a dimensão do que estava para vir. Impôs-se em pouco tempo como titular da equipa de Mark Cuban, cumpria exemplarmente na defesa, e no ataque enchia o campo com o seu característico fade away jump shot. Será para sempre relembrado por este movimento, indefensável atendendo à sua altura e à precisão do seu lançamento – comparável, em termos de eficiência, com o célebre Sky Hook do Kareem. Em 2004, em consequência da saída de Steve Nash da equipa texana, tornou-se de uma vez por todas na figura central do franchise.

2011 foi a época que acabaria por marcar a sua carreira. Depois das finais perdidas de forma desastrosa em 2006, o anel chegaria por fim. E de que maneira! Derrotar pelo caminho os Lakers, de Kobe, os Oklahoma, de Durant e Westbrook, e os Miami Heat, de Lebron, Wade e companhia, faz com que seja considerado um dos maiores contos de fadas da história recente da liga. Os Dallas estavam longe de ser favoritos. Esta é a conquista que marca a diferença entre um grande jogador e um jogador histórico. Foi o primeiro título da equipa de Dallas e a entrada de Nowitzki na galeria dos imortais.

O seu característico movimento, considerado por muitos como um dos mais indefensáveis de sempre Fonte: Pledge Sports MOVE

O seu característico movimento, considerado por muitos como um dos mais indefensáveis de sempre
Fonte: Pledge Sports MOVE

Há muito para elogiar e admirar em Dirk Nowitzki. O currículo fala por si: campeão da NBA, MVP, MVP das Finals, 13x All-Star, 5o-40-90 Club, 30k club… É claramente o melhor europeu da história, mas será lembrado por muito mais do que isso. A dedicação, a sua ética e afinco para com os seus colegas de equipa, o total respeito por todos os intervenientes do jogo, em qualquer partida, são valores que todos queremos preservar, e esse é talvez o seu maior legado.

Esta semana, Nowitzki foi assunto por ter atingindo uma marca história apenas ao alcance dos melhores de sempre, mas há muito que o seu lugar no Olimpo estava assegurado.

Foto de capa: playmaker

Artigo revisto por: Francisca Carvalho

joao-mendes dinis
As olheiras diárias provam a paixão que tem pela NBA. A emoção de cada jogo e toda a envolvente da liga estão sempre debaixo de olho. Sonha ver os laivos dourados do Larry O’Brien de regresso a Nova Iorque.                                                                                                                                                 O João escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.

Comentários

Por João Dinis Março 13, 2017, em NBA

Figura e Fora-de-Jogo da Semana

17/12/2017

André Conde

Diretor-Adjunto

Pep Guardiola

Equipa à sua imagem, futebol de grande qualidade e domínio na Premier League. No meio dos tubarões da Liga Inglesa, Pep Guardiola está a mostrar o porquê de ser o melhor treinador do mundo.

Rui Vitória

Depois da Champions, a Taça de Portugal. Uma equipa sem ideias, perdida em campo e um discurso completamente fora da realidade. O tempo do treinador no SL Benfica parece ter terminado.