Os eSports em Portugal

Por Ricardo Mota Outubro 23, 2017, em eSports

Os eSports em Portugal

Anterior1 de 2Próximo

Cabeçalho modalidadesOs eSports são um fenómeno global. O top 30 de jogadores mais bem pagos conta com jogadores de 15 países diferentes, o que ajuda a mostrar que o sucesso, a exemplo do que sucede com outros desportos, parte muito do individual, muito embora se trate de um desporto colectivo. São números que incluem apenas os valores recebidos em prémios de jogo, após participação em eventos. Estes valores são públicos, ao contrário dos salários, pelo que são estes que temos em consideração aqui. No topo da lista, está Kuro “Kuroky” Takhasomi. O alemão, com mais de 3,3 milhões de dólares em carteira, lidera a lista desde Agosto, após a vitória num evento que pagou 23 milhões de dólares às equipas que nele participaram. Seguem-se mais de 40 jogadores na lista com ganhos acima de um milhão de dólares.

Wings a receberem o certificado Guinness como equipa com maior prémio nos eSports até à data fonte: WWG

Wings a receberem o certificado Guinness como equipa com maior prémio nos esports até à data
fonte: WWG

Desenganem-se se pensam que a lista é dominada pelos países que estamos habituados a ver. Oh, sim, está lá a Alemanha, os Estados Unidos, a China… mas está também a Jordânia, o Paquistão, o Líbano, a Estónia e outros. E Portugal? Portugal está longe, bem longe neste aspecto. Embora haja por cá alguns bons porta estandartes da comunidade portuguesa, a verdade é que nenhum logrou atingir os 100 mil dólares em prémios ainda. Pode ser visto como um problema e extrapolar-se por esse caminho. Mas pode, também, ser visto como uma tremenda oportunidade. Números de jogadores não faltam. Falta o investimento financeiro, de tempo e de trabalho, para que os números subam também.

Mesa aberta sobre os eSports, com representantes de equipas, patrocinadores e organizadores de eventos, na Lisboa Games Week Fonte: Rubber Chicken Games

Mesa aberta sobre os eSports, com representantes de equipas, patrocinadores e organizadores de eventos, na Lisboa Games Week
Fonte: Rubber Chicken Games

O cenário nacional tem, de momento, duas grandes competições. A LPLOL e a LPGO. As ligas Portuguesas de League of Legends e de Counter-Strike: Global Offensive, respectivamente. A LPLOL já conta com uns anos de actividade e é a maior liga Nacional, crescendo gradualmente de ano para ano. A LPGO nasceu recentemente e procura trilhar por um caminho semelhante, num jogo que, em Portugal, granjeia mais espectadores. Regra geral, o cenário  português vai sendo dominado por três equipas: K1ck, For the Win e Alientech.

Anterior1 de 2Próximo
Ricardo Mota
Desde há muito tempo ligado ao mundo dos videojogos, Ricardo Mota é Professor de criação de videojogos no Instituto Politécnico da Maia. Escreve sobre videojogos e desportos electrónicos para o Rubber Chicken, a RTP Arena e o Observador e traz agora para o Bola na Rede os primeiros passos sobre os esports. Organiza o projecto Indie Dome, na Lisboa Games Week, e trabalha como Relações Públicas e Gestor de Comunidades na Bigmoon Studios.                                                                                                                                                 O Ricardo não escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.
Ricardo Mota

Últimos Artigos por Ricardo Mota (ver todos)

Comentários

Por Ricardo Mota Outubro 23, 2017, em eSports

Figura e Fora-de-Jogo da Semana

13/11/2017

Jorge Faria de Sousa

Redator

Eric Dier

O defesa inglês é hoje uma das estrelas do futebol britânico e estreou-se enquanto capitão da seleção inglesa no passado fim de semana.

Presidente Câmara Oliveira do Hospital

Criticou a FPF, alegando que o distrito de Coimbra foi esquecido nestes jogos particulares. Espera-se que no futuro próximo, a FPF possa levar o futebol solidário ao distrito de Coimbra.