O precónio do fim

Por Ricardo Lopes Junho 16, 2017, em FC Porto

O precónio do fim

Anterior1 de 2Próximo

fc porto cabeçalho

A procissão já não vai no adro. Encontra-se neste momento bastante adiantada e bem perto do seu final, restando saber se falamos de um final desejado ou, pelo contrário, necessário. Esta longa caminhada de quatro anos de sucesso tinha e tem como objetivo mínimo a consagração de mais um título, podendo dessa maneira igualar um feito ímpar de um clube português, a conquista do penta. Depois de sacado esse êxito, então sim, o estratagema poderia ou não ter continuidade. Seria, então, o fim da já anunciada procissão, recheada de anjos e personagens celestiais, subjugadas e subservientes ao poder instalado pelo homem forte de toda esta mentira: o senhor “primeiro ministro”, como agora (?) ousam chamar-lhe.

Esse seria, naturalmente, o final que todos desejariam, o término que poria o país num êxtase total. Afinal, este poder preocupa-se com a felicidade dos que o seguem e esta seria uma prenda bastante agradável. Contudo, e dada a analogia que tem sido feita nas últimas semanas, apetece-me dar aqui um toque religioso à coisa e transmitir a opinião de que considero ter sido dado o precónio (anúncio) final de uma procissão que deverá “morrer” na praia, se tivermos uma justiça disposta a não compactuar com este poder.

Fonte: Porto Canal

Fonte: Porto Canal

O caso dos emails, ainda que devidamente abafado e ignorado pela comunicação oficiosa do regime lisboeta, acaba por ser minimamente discutido e escrutinado um pouco por todo o lado. Felizmente, muitos já não comem gelados com a testa e, por isso, acabam por desconfiar da incoerência que acerca todos os encartilhados que, com maior ou menor frequência, se propõem a defender com unhas e dentes a posição dessa grande instituição.

Dez dias se passaram desde que Francisco J. Marques começou a destapar o véu e, desde então, nenhum dos visados conseguiu desmentir a existência de tais provas comprometedoras. Primeiro, numa tentativa desesperada de distanciar-se do comportamento do seu “não-colaborador” Pedro Guerra, o Benfica declara-se livre de culpas por se tratar de um simples adepto. Agora, esperamos a mesma linha de orientação e o precónio de que Luís Filipe Vieira e o seu assessor jurídico Paulo Gonçalves também nada têm a ver com o Benfica e que, como tal, nada se pode associar ao clube.

Anterior1 de 2Próximo
ricardo-lopes
O azul e o branco são parte fundamental da vida do Ricardo. A amor pelo FC Porto fazem dele um adepto ferrenho dos 'dragões'. Tem na escrita um amor quase tão grande como o do clube, sendo sobre futebol que incidem a maior parte das suas escrituras. No futuro, espera encontrar no jornalismo a sua ocupação profissional.                                                                                                                                                 O Ricardo escreve ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.
ricardo-lopes

Últimos Artigos por Ricardo Lopes (ver todos)

Comentários

Por Ricardo Lopes Junho 16, 2017, em FC Porto

Figura e Fora-de-Jogo da Semana

19/06/2017

Marta Reis

Redatora Sporting CP

André Villas-Boas

O treinador português não se mostrou indiferente à tragédia de Pedrogão Grande e, mesmo a milhares de quilómetros, doou uma verba considerável para as vítimas do incêndio.

Hóquei Português

Depois de ter rebentado o escândalo no futebol, as críticas às arbitragens não abonam a favor da boa imagem que estava a ser construída pela modalidade.