Anterior1 de 3Próximo

Cabeçalho modalidades

O wrestling português deu mais um passo importante para o seu crescimento. A World Star of Wrestling aliou-se ao Wrestling Portugal para fazer um espetáculo, onde os títulos da WSW estiveram em jogo, onde estrelas como Carlito, Chris Masters e Juventud Guerrera estiveram presentes e onde os lutadores portugueses tiveram a oportunidade de trocar conhecimento e experiência com alguns veteranos da industria.

Para Bammer, campeão Europeu da WSW, é muito importante esta troca de conhecimento entre lutadores portugueses e estrangeiros. “Há uns anos atrás era impensável ter lutadores portugueses no meio de lutadores internacionais. A diferença de qualidade era enorme. Mas é bom saber que em 2017 podemos estar no mesmo ringue que eles”, afirmou o campeão europeu.

Juventud Guerrera foi um dos destaques Fonte: Facebook Oficial de Juventud Guerrera
Juventud Guerrera foi um dos destaques
Fonte: Facebook Oficial de Juventud Guerrera

Também para Chris Masters e Carlito é importante levar o wrestling às pessoas e poder partilhar conhecimento com outros wrestlers. O Masterpiece afirma que é “bom ter um misto de juventude com veteranos que lutaram em Wrestlemanias. É sempre bom ter essa partilha de conhecimento para eles e também nós aprendemos.” Já Carlitos, fica satisfeito por trazer mais shows para o público português. “Infelizmente, eles não têm muitos live events por isso é bom que aos poucos possamos trazer mais live events para Portugal. Isso também traz mais fãs para o wrestling português, afirmou o ex-campeão Intercontinental.

Numa altura onde o wrestling feminino está a passar por uma fase de revolução, onde cada vez mais é visto com outros olhos e as lutadoras mostram que são capazes de fazer o mesmo que os homens fazem, Nina Samuels diz que este não é o tempo de se relaxar e que as lutadoras têm de provar que são capazes de dar bons combates. “Hoje em dia o wrestling feminino é levado muito mais seriamente e isso significa que existe mais pressão para as mulheres chegarem à frente. Antes, um combate feminino não despertava atenção mas agora pode ser um dos combates do evento e por isso as lutadoras têm de se mostrar cada vez mais para provar que são capazes de dar um bom combate como os homens”.

A inglesa, que lutou contra a portuguesa Kelly, afirma que este evento é uma oportunidade para aprender novos estilos. “Cada país tem o seu estilo de wrestling e lutares em diferentes países faz com que evoluas e que te adaptes a cada estilo. Ter estrelas de vários países como Portugal, Reino Unido, México é importante, pois é assim que aprendemos”.

Anterior1 de 3Próximo

Comentários