Cabeçalho Futebol Internacional

 

Terminada a participação dos Palancas Negras no CHAN 2018, é tempo do Girabola regressar aos relvados. Com início marcado para o dia 9 de fevereiro, a edição deste ano tem desde logo uma atenuante: será de duração mais curta (irá jogar-se de fevereiro até agosto, e não até a outubro/novembro, como era habitual), devido às exigências da CAF (organismo que tutela o Futebol em África) para a harmonização dos calendários dos campeonatos nacionais no continente. Apesar dessa mudança, o Girabola não irá deixar de ter o mesmo encanto e magia das edições anteriores, uma vez que os clubes apostaram fortemente na construção dos seus plantéis, de modo a atingir os objetivos a que se propuseram. Em seguida, irei fazer uma breve análise sobre os candidatos ao título e as suas aspirações para este ano futebolístico.

Começando pelo campeão em título, o 1.º de Agosto irá contar para esta época com um novo técnico: Zoran Maki substituiu Dragan Jovic (saiu no final da época passada, devido a problemas de saúde) no comando técnico da equipa d’Os Militares, e pretende levá-los à conquista do tricampeonato. O clube de Luanda no mercado decidiu apostar na manutenção da maioria do plantel que venceu a prova do ano passado, mas também não deixou de se reforçar: os nigerianos Razak e Yisá e o congolês Jacques juntaram-se à equipa agora treinada por Maki. Além disso, o 1º de Agosto irá defender o título de campeão, com oito jogadores provenientes da sua formação (entre eles, Nélson da Luz e Cirilio), como prova de está que a ser uma forte aposta nas camadas jovens do clube.

1.º de Agosto e Petro de Luanda foram os dois protagonistas do Girabola´17 Fonte: Girabola
1.º de Agosto e Petro de Luanda foram os dois protagonistas do Girabola´17
Fonte: Girabola

Quanto ao Petro de Luanda, o clube orientado por Beto Bianchi está empenhado em quebrar a recente hegemonia do seu grande rival da capital angolana. Para isso, o Petro foi buscar alguns reforços – oito no total, e com o principal destaque para o avançado brasileiro Harrison, que atuava no Atlético Paranense. A equipa petrolífera parte para esta nova época com as aspirações renovadas de atingir o título de campeão, que lhe foge desde 2009.

No que diz respeito aos outros dois candidatos ao título, Kabuscorp e Recreativo do Libolo, ambos os clubes irão contar com novos treinadores para esta edição do campeonato: Sérgio Traguil do lado do Kabuscorp e Kito Ribeiro no Rec. Libolo. Os dois técnicos terão uma missão espinhosa pela sua frente, pois têm como principal objetivo levar o seu respetivo clube de novo à glória, o que não se adivinha desde logo uma tarefa fácil, tendo em especial atenção as duas últimas épocas, em que a discussão do título foi entre o 1.º de Agosto e o Petro de Luanda.

Por último, é de salientar as presenças do FC Casa Militar, Domant FC e Sporting de Cabinda que irão participar no principal campeonato de Angola, após terem garantido a subida de divisão. Os récem-promovidos estão motivados para jogar no Girabola, embora saibam que terão de lutar imenso para se manterem entre a elite do futebol angolano.

Parece estar tudo a postos para o início da nova edição do Girabola, bastando apenas aos árbitros darem o apito  para se começar a jogar um campeonato que irá ser bastante incerto até ao seu término, como tem sido em anos anteriores. Que (re)comece então de novo a festa do futebol!

 Foto de capa: Girabola

Texto revisto por: Teresa Lopes 

Comentários