Anterior1 de 3Próximo

Estádio cheio na capital londrina para um jogo que podia perfeitamente ser a final da competição, com as duas melhores equipas (em teoria) a defrontarem-se. Um jogo que prometia muito e repleto de emoção. A um minuto de jogo percebemos que era precisamente o que ia acontecer. Lance perigoso de contra-ataque quando Vrsaljko trava em falta o seu adversário, recebendo assim um cartão amarelo. Este amarelo serviu para o árbitro mostrar que não ia ser complacente com qualquer tipo de jogo feio que viesse a surgir.

Aos 8 minutos de encontro Vrsaljko mostrou que não ter aprendido a lição e fez mais uma falta desnecessária sobre Lacazette, garantindo assim a sua expulsão. Estavam reunidas as condições para um jogo animado e fervoroso, com o jogador do Atlético de Madrid a mostrar uma infantilidade tal que podia ter sentenciado a qualificação da sua equipa, que foi forçada a adotar um estilo de jogo completamente diferente do que tinha preparado.

Simeone é expulso também, desta vez aos 12 minutos, e ficou obrigado a ver o jogo da bancada, após proferir algumas palavras menos agradáveis ao árbitro da partida. Como seria expectável, o Arsenal ficou na mó de cima quase toda a primeira parte deste encontro, tendo múltiplas oportunidades de golo. A equipa madrilena, completamente desfalcada após a expulsão do seu defesa e treinador, foi completamente encostada num canto pelo Arsenal.

Foram lances após lances que, das duas, uma: ou eram desperdiçados ou acabavam numa brilhante defesa de Oblak. O Ex-jogador do Benfica tem mostrado que, se não é o melhor guarda-redes da atualidade, está muito perto desse posto. No fim da primeira parte apareceu finalmente o Atlético Madrid, mostrando que ainda não tinha dado o seu último suspiro neste encontro.

A segunda parte do encontro tinha acabado de começar quando finalmente o Arsenal se colocou em vantagem. Os “gunners” aproveitaram um erro de Griezmann e Lacazette finalmente conseguiu bater Oblak, trazendo desigualdade no marcador. O Arsenal dominou o jogo por completo, com posses de bola superiores a 70%, com muitos, muitos lances perigosos a favor dos arsenalistas, um número de passes que triplicava os do adversário, os cantos a favor, enfim, tudo … o Arsenal tinha tudo para ganhar.

Mas não ganhou, e não ganhou porque, quando ninguém esperava, Antoine Griezmann marca o golo para o Atlético Madrid e deixou a partida empatada a uma bola. Que surpresa esta, a mostrar que a defesa às vezes consegue mesmo ser o melhor ataque. O sentido de oportunidade do francês deixou a partida completamente em aberto e serviu como redenção para Griezmann.

Foto de Capa: Arsenal FC

Artigo revisto por: Vanda Madeira Pinto

Anterior1 de 3Próximo

Comentários