Terminada mais uma época desportiva ao nível dos clubes, todo o universo do futebol se centra agora no Mundial da Rússia.

Portugal, inserido no grupo B, estreia-se no segundo dia de competição, frente à Espanha. No entanto, a preparação da Seleção Nacional já há muito teve início. Um mês antes do pontapé de saída na Rússia, Fernando Santos anunciou uma das decisões mais importantes: os 23 convocados para a fase final.

Face a um leque de opções alargado, o Engenheiro optou pela variedade. No grupo que vai seguir viagem para a Rússia, todos os jogadores apresentam caraterísticas diferentes, tendo utilidades repartidas pelos diversos contextos.

Assim, até à estreia da Seleção Nacional, o Bola na Rede vai definir, numa palavra, aquele que pode ser o principal contributo de cada jogador para a equipa das Quinas.

 

André Silva: Movimentação.

 

Não é um jogador tão móvel como Gonçalo Guedes, mas a sua qualidade na movimentação será uma vantagem em relação ao jogador do PSG, o que pode parecer um paradoxo para os mais desatentos.

Não jogando tão solto na frente, a verdade é que André Silva, em espaços curtos, é o típico avançado que arrasta defesas através de diagonais, o que permite ao seu parceiro de setor soltar-se da marcação.

Por isto, André Silva tem, no conjunto das suas caraterísticas, o protótipo de parceiro ideal para Ronaldo. Afinal que jogador pode o capitão querer mais ao seu lado do que aquele que lhe garante melhores condições para aparecer a finalizar?

A época de André Silva não foi fácil, mas, ainda assim, o avançado conseguiu apontar 10 golos em pouco menos de dois mil minutos, uma média próxima de meio golo por cada 90 minutos.

Na seleção, espera-se que possa contribuir com mais alguns tentos e, sobretudo, que ajude Ronaldo a brilhar.

Foto de Capa: FPF

Artigo revisto por: Rita Asseiceiro

Comentários