Anterior1 de 3Próximo

A manhã dos portugueses ficou marcada por 3 qualificações para finais e marcas de elevadíssimo nível, mas não foi só a isso que o dia se resumiu! 

Primeiro foi Liliana Cá que lançou o Disco a 58.37 metros no segundo lançamento, ainda aguardou pelos resultados do segundo grupo, mas já se sabia que a marca obtida muito dificilmente não chegaria para a presença na final. Chegou e foi mesmo a oitava melhor atleta da qualificação, a primeira entre as que não conseguiram a qualificação direta. Como já mencionámos no nosso guia de antevisão, a época de Liliana Cá tem sido verdadeiramente impressionante, especialmente se tivermos em conta que a atleta passou por um período de mais de quatro anos sem competir oficialmente, reaparecendo já depois do nascimento dos seus filhos.

Um ano de regresso marcante para Liliana Cá
Fonte: FPA

Depois de ter alcançado a medalha de Prata nos Jogos do Mediterrâneo em Tarragona e de antes, no princípio do ano, ter batido o seu recorde pessoal, a atleta chega à sua primeira final de uma grande competição internacional como sénior, depois de ter sido medalhada de Prata nos Europeus Juniores de Kaunas, em 2005. No final, Liliana admitiu que não foi o seu melhor lançamento, mas que foi o suficiente para garantir um lugar na final e aí irá lutar com todas as suas forças para alcançar o melhor lugar possível, entrando com calma e corrigindo alguns erros identificados. 

Também no Disco, no segundo grupo, tínhamos a participação de Irina Rodrigues. Também ela uma atleta experiente, mas a quem faltava uma final deste nível. Irina tinha feito um primeiro ensaio de 55.15 metros, tendo sempre melhorado ao longo do concurso para um segundo lançamento de 56.38 metros e um grande terceiro lançamento de 59.22 metros, acima da marca de qualificação direta, assegurando um lugar na final. A marca de Irina foi a 4ª melhor da qualificação e permite à atleta estar numa final sénior internacional, depois de algumas tentativas frustradas pelos mais variados motivos, incluindo azares como o do Rio, quando partiu um pé num treino antes dos Jogos Olímpicos, quando já se encontrava na cidade brasileira. Em declarações ao nosso jornal no final, Irina confessou que há muito que lutava pela presença numa final deste nível, mas que no final da prova sentiu que todo o esforço e sacrifícios tinham valido a pena, agradecendo em especial ao seu técnico Júlio Cirino e ao psicólogo João Lameiras. 

Irina Rodrigues consegue chegar ao ponto alto da sua carreira até ao momento!
Fonte: FPA

Desta forma, pela primeira vez na história, Portugal coloca duas atletas na final do Lançamento do Disco! Este é um facto importante para o crescimento dos Lançamentos no nosso país, como Irina Rodrigues também viria a afirmar no final, visivelmente entusiasmada com a qualidade atualmente existente em Portugal. 

Mas a manhã de luxo portuguesa não se ficou pelo Disco. No Salto em Comprimento, Evelise Veiga mostrou, mais uma vez, o melhor de si e igualou o seu recorde pessoal e recorde nacional sub-23, com um salto de 6.61 metros (-0.2) logo na primeira tentativa. Depois, teve que aguardar os tempos das restantes atletas, uma vez que a marca ficava ligeiramente abaixo da qualificação direta (6.67). Sofreu muito numa qualificação de elevado nível – para se ter uma ideia, nos Europeus de Amesterdão 6.46 chegou para um apuramento para a final e nos Jogos do Rio 6.53 foi suficiente! – mas conseguiu ter o 12.º melhor registo e apurar-se mesmo para a final de sábado. Na verdade, foi apenas a segunda vez em toda a história de Europeus que todas as atletas passaram os 6.60 metros, sendo assim a segunda qualificação mais “cara” da história dos campeonatos! 

Evelise no final afirmou que sabia que seria preciso um grande salto para a qualificação, sabendo que a marca de qualificação direta era acima do seu recorde pessoal, mas que felizmente tal não foi necessário. Na final irá lutar por um novo recorde pessoal, a melhor classificação possível e desfrutar do momento, que é o coroar de uma época de luxo. 

Começando pela manhã e terminando ao final do dia, Lecabela Quaresma iniciou e completou o primeiro dia da sua participação no Heptatlo. Começou o evento com a participação nos 100 metros barreiras, com um tempo de 14.19 (0.0), possivelmente afetada pela sua falsa partida inicial. Ainda assim, cresceu no Salto em Altura, onde conseguiu passar a fasquia a 1.79 metros (somando mais 966 pontos). No período da tarde, lançou a 13.64 metros no Peso e correu os 200 metros em 25.61 segundos. Neste momento tem 3520 pontos, estando a passar a 223 pontos do recorde pessoal, mas ainda com boas possibilidades de fazer o seu melhor desta temporada. Lá na frente prevê-se uma luta até ao final entre a belga Nafi Thiam e a britânica Katarina Johnson-Thompson. 

Pela tarde foi a vez de Cátia Azevedo estar presente nas meias-finais dos 400 metros, onde fez os primeiros 300 metros de elevadíssimo nível, mas teve uma quebra nos 100 metros finais, terminando com o tempo de 52.23 segundos na oitava posição de uma série rapidíssima que apurou as duas atletas repescadas por tempos. As meias-finais, no geral, tiveram um nível elevado (com a última qualificada a fazê-lo em 51.50) e a atleta viria a reconhecer isso mesmo, referindo também ter sentido uma quebra de energia nos últimos 100 metros decorrente de uma alteração fisiológica inesperada. 

Anterior1 de 3Próximo

Comentários