Anterior1 de 4Próximo

Na tarde deste domingo, realizou-se o jogo decisivo da edição de 2017/2018 da Taça de Portugal. Frente a frente estavam o Porto, bicampeão em título da prova e segundo classificado do campeonato, e o Valongo, que chegou pela primeira vez ao encontro determinante e quinto classificado da tabela classificativa. A partida não defraudou as expectativas e após cinquenta minutos regulamentares e dez de prolongamento, o Porto conseguiu levar de vencido o Valongo, que realizou uma excelente exibição, por 3-2.

A final da prova rainha teve um começo intenso e logo nos primeiros instantes, Nelson Filipe e Leonardo Pais foram colocados à prova, tendo respondido a altura dos acontecimentos.

O Valongo, a disputar a sua primeira final da Taça de Portugal, era a equipa que mais oportunidades ia tendo. No entanto, disputados cerca de três minutos e meio, o Porto beneficiou de uma grande penalidade, mal assinalada, pois, a falta foi feita fora da área, que poderia mudar o rumo dos acontecimentos. Gonçalo Alves, chamado à responsabilidade, não conseguiu bater Leonardo Pais.

A equipa orientada por Miguel Viterbo continuava muito melhor e em cima da marca dos dez minutos de jogo, o Valongo ficou muito perto do golo, com Luís Melo a desviar uma stickada de Poka à barra da baliza de Nelson Filipe. Pouco depois, Guilherme Silva e Reinaldo Garcia viram um cartão azul, possivelmente, por algum desentendimento.

O jogo animou e o Porto ficou perto de abrir o ativo por intermédio de Ton Baliu. De seguida, Xavi, também, esteve quase a marcar e no seguimento do lance sofreu falta de Jorge Silva para cartão azul. Rúben Pereira não conseguiu concretizar o livre-direto, tendo stickado ao lado.

Em situação de superioridade numérica, o Valongo apenas conseguiu dar trabalho a Nelson Filipe numa stickada de Rúben Pereira e o marcador continuou a indicar 0-0.

O Valongo continuava a avisar os dragões e em duas situações de contra-ataque de três para dois, com cerca de nove minutos para a pausa, Luís Melo e Pedro Mendes, que enviou o esférico ao poste, ficou pertíssimo de inaugurar o marcador. Minutos depois, foi a vez de Leonardo Pais voltar a fazer uma enorme defesa, desta feita com o capacete, a uma stickada, de primeira, de Gonçalo Alves. Porém, volvidos alguns instantes, Gonçalo Alves arriscou uma iniciativa individual e fez o 1-0. Logo a seguir, o Valongo dispôs de um penalti. Poka, com uma grande oportunidade para restabelecer a igualdade, acabou por permitir a defesa de Nelson Filipe.

A vantagem fez bem o Porto, que melhorou muito em pista. Com cerca de dois minutos e meio até ao intervalo, Rúben Pereira travou Jorge Silva numa falta para cartão azul. Hélder Nunes, habitual marcador dos livres-diretos, começou por não conseguir bater Leonardo Pais, mas na recarga, não deu qualquer hipótese e fez o 2-0.

Finalizada a primeira parte, o Porto estava na frente por dois golos sem resposta. Resultado algo injusto consoante o que o Valongo tinha feito em pista, tendo estado bem a atacar e melhor a defender, mas, também, com Leonardo Pais em grande. No entanto, os dragões foram, de alguma forma, eficazes e felizes na maneira como chegaram aos golos e saíram para o descanso a vencer por 2-0.

Ton Baliu, que vai regressar ao Igualada na próxima época, termina o seu ciclo no Porto com duas Taças de Portugal no bolso
Fonte: FC Porto Sports
Anterior1 de 4Próximo

Comentários