Anterior1 de 3Próximo

No Estádio Marcolino de Castro, em Santa Maria da Feira, jogou-se a jornada 27 da Liga NOS. Um Benfica que tinha Pizzi de volta para comandar o meio campo de Vitória enfrentou um Feirense que, do seu 16º lugar, se via obrigado a pontuar depois de ter perdido 2-1 com o Rio Ave na última jornada.

A formação da luz entrou muito forte e com um jogo lateralizado. A turma de Nuno Manta parecia ineficiente no momento de subir no terreno – só dava Benfica, as águias dominavam os primeiros minutos.

Os suspeitos do costume – Rafa, Zivkovic, o regressado Pizzi e Cervi – trocavam a bola como queriam: tabelas, passes a rasgar no flanco, iniciativas individuais – mas que esbarravam, fatalmente, ora nos centrais Luís Rocha e António Briseño, ora naquele que foi o melhor jogador em campo, o guardião Caio Secco. Foi um duelo empolgante aquele que os adeptos presentes no Marcolino de Castro puderam ver: Rafa versus Caio Secco – quando não foi o guarda-redes brasileiro a defender, Rafa, por ação do brasileiro (perturbando o atacante do Benfica), atirou ao poste da baliza dos fogaceiros.

Sucediam-se os lances de perigo das águias, jogadas rápidas que não permitiam reação aos defesas do Feirense mas que, contudo, findavam sem finalização. Jonas teve uma noite pouco inspirada no ataque encarnado.

O relvado foi, por infelicidade, um fator negativo que dificultou a finalização em ambas as áreas: sentiu-se muito mais a condição miserável da relva, misturada com terra, na área do Feirense.

Antes do fim da primeira parte, o camisola 8, Tiago Silva, é expulso de forma acriançada – alguns minutos após ver amarelo, decide esbarrar contra Rafa, impedindo uma jogada perigosa.

Fonte: SL Benfica

No início da segunda parte, Rui Vitória toma a decisão correta: colocar mais um ponta de lança, formando um 4-4-2, com Cervi na lateral-esquerda, Zivkovic a encostar-se na ala oposta à de Rafa. Entrou, assim, o famoso suplente de luxo: Raúl Jimenez. Primeiros toques na bola e golo. Um passe a rasgar de Jonas, uma falha de marcação de Luís Rocha, e Raúl não perdoou.

Depois foi mais fácil. O Benfica soube gerir o jogo com calma e com maturidade. Rafa, após várias tentativas e sucessivas falhas na cara do golo, acaba por ampliar a vantagem para dois golos de diferença: um passe soberbo de Jiménez que solta o pequeno Rafa – após uma recessão de classe, contorna Caio Secco e faz o segundo golo no campeonato.

Ainda é importante destacar que António Briseño é expulso ao minuto 86 da partida – a segunda parte foi o oposto pela negativa do central mexicano.

O SL Benfica soma mais 3 pontos e coloca pressão no primeiro classificado, FC Porto, e o CD Feirense soma a segunda derrota consecutiva no campeonato.

Anterior1 de 3Próximo

Comentários