Anterior1 de 3Próximo

O Benfica disputou o seu primeiro jogo oficial na temporada 2018/2019 e logo a contar para a Liga dos Campeões. À procura de chegar à liga milionária, os «encarnados» venceram no Estádio da Luz por 1-0 os turcos do Fenerbahçe com golo de Franco Cervi. Um resultado positivo, uma vitória perante 58,878 adeptos, mas levar uma vantagem mínima para a Turquia pode significar uma nulidade e denota-se uma experiência e maturidade superior desta equipa forasteira.

Nesta fase, o Benfica parece ter encontrado alguma solidez no meio campo e na defesa, apesar de ainda faltar ideias que façam distribuir jogo para alas e posteriormente para o eixo de ataque, onde há caras novas. A dificuldade do jogo da próxima terça-feira é imprevisível.

Perante a não convocatória de Jonas e daquilo que se foi vendo dos novos reforços do ataque do Benfica na pré-temporada, Ferreyra foi a opção de Rui Vitória, deixando Castillo no banco. Mudança de jogadores que aconteceu na segunda parte e trouxe factores positivos para os encarnados. Mais atrás no terreno estava a outra novidade de que se tem falado tanto, Gedson Fernandes, que surgia ligeiramente mais adiantado do que o ‘6’ Fejsa e ‘encheu’ o campo. Odysseas Vlachodimos foi quem tomou as redes «encarnadas e foi sempre muito aplaudido pelo estádio a cada intervenção, fosse ela maior ou menor.

No primeiro tempo, o Benfica atacou de norte para sul, algo que costuma acontecer na segunda parte quando joga em casa. O início do jogo fica logo marcado por uma iniciativa de Gedson Fernandes que recupera uma bola no interior da área, ao lado direito, passa rasteiro para o meio. O Estádio da Luz suspirava bem cedo o golo, mas ninguém estava lá. Para se ver um pouco mais de Benfica, era preciso chegar à meia hora de jogo.

Dois momentos. Aos 32’ Grimaldo encontra Cervi nas costas da defesa do Fenerbahçe e faz um cruzamento venenoso, que parecia enganar o guarda-redes que sacode a bola. Salvio estava lá perto, ainda se atira para a bola, mas cortada por um defesa. No minuto seguinte, num ritmo ligeiramente maior no jogo, Salvio remata mesmo, ao lado, mas obrigou o guardião turco a esticar-se.

Os «encarnados» pretendiam construir jogo, trocando bola a seu ritmo, mas o Fenerbahçe ia pressionando cada vez mais alto, levando-os ao erro, onde algumas vezes surgiam os turcos. Os vice-campeões da Turquia, aproveitam, chegavam mais rápido à área adversária em posse, mas sem muito perigo. Alper Potuk e Giuliano, os jogadores no eixo, eram sempre muito procurados a partir de bolas vindas das laterais.

Mesmo antes do apito para o intervalo, Ferreyra ganha a bola sobre Neustäder e, praticamente isolado do lado esquerdo, remata fraco em jeito, quase a entregar a bola a Demirel.

Cervi marcou o único golo do triunfo encarnado
Fonte: SL Benfica

A segunda parte começa com os mesmos contornos da primeira, tirando uma oportunidade de Pizzi, quase sem ângulo do lado esquerdo da área a chutar uma bola que tinha sobrado de um erro do guarda-redes do Fenerbahçe que não tinha agarrado bem o esférico. Os turcos iam gradualmente descendo mais no terreno, mas com algum controlo.

À passagem do minuto 60, o Benfica via que tinha de arriscar mais para não levar um resultado nulo para a Turquia e o treinador Rui Vitória trocou Facundo Ferreyra para lançar o outro reforço para o ataque, Nicolás Castillo. Tirando aquela ligeira oportunidade no final dos primeiros 45 minutos, não se viu muito do avançado argentino. Em contraste, foi o colombiano a dar algo mais ao Benfica para chegar ao golo. Salvio passa para dentro de área para Castillo que, de costas e muito perto da baliza turca, atrai alguns oponentes do Fenerbahçe. Este passa para baixo, onde estava Cervi para receber com o melhor pé, o esquerdo, e finalizar (1-0). A bola passa no meio das pernas de Mauricio Isla antes de bater Demirel.

No decorrer que faltava da segunda parte, o Benfica foi ficando mais à vontade do jogo e foi ganhando alguns números na estatística ao nível do remate, muito por culpa de Castillo. Reteve como queria várias vezes a bola em sua posse, devolvia aos colegas ou rematava, tentava pressionar a linha defensiva do Fenerbahçe. Um ‘mais’ para o campeonato que está já à porta. Os adeptos do Benfica iam ficando rendidos, mas de certeza que não estão a esquecer de Jonas.

O calendário não vai perdoar neste “querido mês de agosto” aos «encarnados». O Benfica ainda joga esta semana, na sexta-feira, frente a um renovado Vitória Sport Clube, terça-feira desloca-se à Turquia, depois segue para o Bessa defrontar o Boavista. Mas até lá, veremos o desfecho desta terceira eliminatória da Liga dos Campeões e, quiçá, o play-off que está ligeiramente mais perto.

Anterior1 de 3Próximo

Comentários