Anterior1 de 4Próximo

Depois de uma época extremamente bem sucedida em 2017/2018, o SC Braga parte para a nova temporada com estatuto reforçado e, provavelmente pela primeira vez na sua história, entra no Campeonato como real candidato ao título. Na Pedreira, o primeiro onze foi com várias mudanças para o habitual da época passada, fruto das entradas e saídas no mercado, mas também de lesões e opções técnicas.

No entanto, essas alterações não se fizeram sentir, com os arsenalistas a entrarem dominadores e donos de um jogo fluido que rapidamente pôs em dificuldades os insulares. De regresso ao escalão superior do futebol nacional, o CD Nacional não podia pedir adversário pior e entrou no jogo logo a sofrer.

No segundo minuto, sofreu o calafrio do perigo, mas isso pouco se compararia com o sofrer o primeiro golo do jogo, logo aos três minutos do encontro. Dyego Sousa apareceu sozinho na cara do guardião e não perdoou, abrindo a contagem para os minhotos. O Nacional demorou a responder à entrada forte dos da casa, mas foi começando a aproximar-se da área adversária e seria compensado por volta dos 20 minutos.

Matheus e um dos defesas bracaranses chocaram, a bola sobrou para os visitantes e, ao tentar salvar a situação, o guarda-redes acaba por fazer penalti. Da marca dos onze metros, Rochez não vacilou e atirou bem colocado, de nada valendo ao brasileiro ter adivinhar o lado para onde a bola ia.

Os braguistas não se deixaram abater pelo revés e rapidamente procuraram regressar à liderança do marcado. Dyego não acertou à primeira, com um pontapé de bicicleta desajeitado, mas pouco depois redimiu-se, aproveitando uma recuperação de bola no centro do campo para bisar ao voltar a levar a melhor no cara-a-cara com Daniel.

As duas figuras maiores da estreia dos Guerreiros na Liga 2018/2019
Fonte: SC Braga

Se isto já parecia emoção suficiente para a primeira parte, os atletas ainda tinham mais reservado para os 12.387 adeptos nas bancadas. Aos 37 minutos, após canto, Matheus aliviou mal a bola e esta sobrou para Rochez que, à meia-volta, igualou Dyego e fez também o seu bis.

No recomeço, continuou a intensidade e, fazendo do desenrolar do marcador uma rotina, o SC Braga voltou a assumir a dianteira. Desta vez, Dyego Sousa trabalhou para assistir Ricardo Horta que, com espaço, girou sobre si mesmo dentro da grande área e atirou a contar.

Desta feita, os madeirenses já não conseguiram responder de pronto e o jogo entrou na sua fase mais parada, o que favoreceu os arsenalistas, mais tranquilos com a vantagem e menos ameaçados pelo opositor. Daniel ainda teve uma grande defesa aos 64 minutos, mas, aos 71, uma excelente jogada coletiva viu Ricardo Horta aparecer isolado para também ele bisar no encontro.

Até ao fim, os arsenalistas ainda voltariam a estar perto do golo por mais que uma vez, mas o resultado já não sofreria mais alterações. Assim, o SC Braga entra a ganhar no campeonato e, apesar das dificuldades no primeiro tempo, começa a época em igualdade com os outros candidatos ao título. Já ao Nacional, dificilmente se poderia pedir mais que causar problemas aos da casa e conseguiram-no fazer. Apesar da derrota e de alguns erros defensivos, têm razões para ficar satisfeitos com a exibição.

 

Anterior1 de 4Próximo

Comentários