Anterior1 de 3Próximo

O Sporting CP venceu o FC Viktoria Plzeň por 2-0, em jogo a contar para a primeira-mão dos oitavos de final da Liga Europa. Com alguma chuva, mas com o ambiente quente fruto das elevadas ambições, a equipa leonina entrou em campo com um onze pronto para atacar o apuramento para os quartos-de-final: Jorge Jesus manteve a sua equipa titular habitual, deixando apenas de fora Piccini e Bas Dost, por lesão. O setor avançado, de resto, foi mesmo a maior “dor de cabeça” do técnico português, que perante a ausência de Dost, Doumbia, Leão ou até Podence, teve de chamar à convocatória o jovem Ronaldo Tavares

Em virtude da formação e da atitude mais defensiva do Plzeň, o Sporting mostrou alguma dificuldade em manter um fio de jogo e um fluxo atacante regular. Os espaços eram fechados com facilidade, com a linha defensiva dos checos a estar muito baixa e com muitos homens. E quando aparecia uma ou outra aberta, notava-se a falta de um matador: Gelson foi o primeiro, ao sexto minuto, ao não conseguir encostar um cruzamento de Acuña que tinha selo de golo; Bryan depois, mas o remate cruzado foi bem defendido por Hruska.

Porém, estas duas ocasiões tiveram o dom de abrir espaços e libertar a equipa leonina, que apareceu assim mais vezes junto à área do Plzeň. Marcos Acuña deixou a barra da baliza checa a abanar após grande remate de meia-distância aos 22 minutos e pouco depois Fredy Montero cabeceava por cima, a cruzamento de Bruno Fernandes. O colombiano ainda tentou mais uma vez, com um remate de fora da área, mas saiu à figura de Hruska. Domínio, mas não havia golo.

E quando não há golos? Todos sabemos o que acontece: sofre-se, seja golo ou psicologicamente. Os leões não sofreram da primeira forma, mas sofreram da segunda – muita passividade, muito tempo para soltar a bola e jogadores a andar a passo, para desespero de alguns adeptos e alegria para os checos, que iam apostando no contra-ataque. Os solitários remates de Bruno Fernandes no meio da descontração leonina faziam temer o pior, mas quem arrisca colhe os frutos.

Foi isso que fez Fábio Coentrão, no momento mais poético da primeira parte: a corrida do lateral foi vista por Bryan Ruiz, bola metida nas costas da defesa, e o português, no ar e acrobaticamente, cruza para o primeiro golo da partida. Fredy Montero, também no ar, dominou no peito e atirou para o fundo da rede. Primeira parte complicada, mas feliz para a equipa leonina, que saía para o intervalo a vencer.

A equipa do Plzeň jogava seguro e esteve sempre concentrada na defesa, aproveitando também alguma desinspiração leonina no primeiro tempo
Fonte: Bola na Rede

No início da segunda parte, os dois treinadores optaram por não fazer qualquer alteração tática nas suas equipas.

O Sporting teve uma boa entrada no segundo tempo, e dilatou a sua vantagem: ao minuto 49, numa recuperação de bola a meio-campo de Bruno Fernandes, o médio português serviu Fredy Montero, e o avançado colombiano aproveitou para bisar na partida.

Acuña foi o primeiro a sair de campo, que assim poderá disputar o jogo da segunda mão (estava em risco de exclusão, se visse o cartão amarelo), entrando para o seu lugar Battaglia. Com uma vantagem confortável no marcador, a equipa leonina ia fazendo uma boa circulação de bola, conseguindo assim manter a equipa checa longe da baliza de Rui Patrício, que até ao momento não tinha tido grande trabalho.

O Sporting teve ao minuto 64 uma bela ocasião para fazer o terceiro, por intermédio de Montero, mas o guardião visitante conseguiu defender bem a tentativa do número 40 dos “Leões”. Três minutos depois, quem tentou foi Bruno Fernandes, que num lance individual espetacular, rematou forte à baliza adversária, embora Hruska tenha voltado a impedir o golo leonino.

Apesar da boa vantagem no marcador, Jorge Jesus não teve motivos para sorrir: William e Coates viram a cartolina amarela, e ambos irão falhar a partida na República Checa – mais dores de cabeça para o técnico português.

Dentro das suas capacidades, o Viktoria ia tentando visar a defesa verde-e-branca e até podia ter reduzido a diferença no marcador por duas consecutivas: primeiro Chorý (76’) e depois Kovarik (79’) não tiveram o engenho suficiente para marcar o golo.

Já nos últimos minutos do jogo, os visitantes deram o forcing final à procura do golo que poderia ser importante para discutir a eliminatória em Plzeň, mas a equipa do Sporting conseguiu defender bem a vantagem de dois golos até ao apito do árbitro para o final da partida.

O Sporting venceu por 2-0 o Viktoria, e assim vai à República Checa com uma boa vantagem na bagagem. Graças ao bis de Fredy Montero, o “Leão” continua com a esperança de chegar à Final intacta e bem viva.

 

Anterior1 de 3Próximo

Comentários